Saúde

Viver no “piloto automático” pode ser prejudicial a saúde

 “Vivendo no piloto automático? Saiba como desativa-lo”

O Debate do Maranhão - 26/08/2021 18h48

Se sua rotina acabou se tornando monótona e você está vivendo no automático isso pode ser prejudicial para você, e para acabar com isso o método SUPERA pode te ajudar.

Você sente que na maioria das vezes você realiza uma atividade e nem percebe como você a fez? Isso acontece por que estamos acostumados com uma determinada atividade rotineira, o que não é ruim, mas muitas vezes esse estado de “piloto automático” pode ser prejudicial para algumas áreas, principalmente para a nossa atenção as situações que acontecem ao nosso redor.

Alguns sinais que você pode estar vivendo no piloto automático são: falhas na memória, dificuldade de concentração, sentir-se culpado ao descansar, irritação constante, sensação de insuficiência, etc. Esses e entre outros são sintomas que você provavelmente está precisando de alguma mudança ou atividade especifica para que você volte a ter uma rotina saudável e que lhe deixe de bom humor.

Pensando nisso o método SUPERA separou algumas dicas para que você possa inserir no seu dia a dia que vão ser de grande ajuda para você destravar o piloto automático. Fazer compras em um mercado diferente do que você está habituado ou pegar um caminho diferente para o trabalho ou para casa já é de grande ajuda pois desperta a mente e irá coloca-la em modo alerta. Porém só isso não é suficiente, praticar exercícios para o cérebro é extremamente importante para estimular nossos neurônios, se organizar e planejar o dia a dia também é de grande ajuda.

O SUPERA trabalha vários exercícios que estimulam o cérebro a desenvolver as atividades cognitivas que são importantes na nossa rotina. Após essas informações não esqueça de visitar as redes sociais do SUPERA (@superasaoluis) para saber mais sobre os métodos que eles utilizam e atividades que irão ajudar você a desenvolver suas habilidades, lá eles compartilham diversas ideias e falam sobre as aulas, não fique de fora.

Texto por Bruna Ludmila G. Carneiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *