ESPORTE

Fábio Cadasso/Artur de Carvalho concluem Sertões com êxito em sua terra natal

Cada etapa completada foi uma vitória para piloto e navegador que competiram, pela primeira vez juntos, na prova

O Debate do Maranhão - 09/11/2020 14h07

Após sair de São Paulo e avançar o Brasil até chegar em Barreirinhas/MA, a bordo de um Can-Am Maverick X3 #253, a única dupla maranhense no grid dos UTVs do Sertões, Fabio Cadasso e Artur de Carvalho, conseguiu superar todos os desafios que o percurso exigiu e completar a 28ª edição com êxito, pois fez uma prova limpa e sem quebras. No sábado (7), a 7ª e última etapa, que partiu de Bacabal/MA e percorreu de 515 km, dos quais 223 de Especial, a dupla finalizou entre os quatro mais rápidos da categoria Over 45 e, em 15º na geral. Com o resultado, terminaram o rali em 7º na categoria.

“Andamos bem nesse último dia porque afinal estávamos em casa, tanto que  ficamos quase entre os Top 10. Poderíamos ter andado mais, porém não tivemos tempo para trocar os pneus antes da largada, pois ficaram comprometidos com o deslocamento de 300 km. Mas foi uma etapa muito boa”, explica Cadasso, que completou sua nona participação e com equipe própria, a Cadasso Racing.

O maranhense é o único piloto da história do Sertões a competir em todas as modalidades: caminhão, moto, carro, quadriciclo e UTV; e conquistou seis pódios na prova (um de vice-campeão na Production T2). “Acho que nossa 7ª posição na categoria foi um resultado muito positivo. Porque fomos para a prova sem treino, com pouca estrutura e sem conhecer muito o equipamento. A cada Especial conseguimos subir mais na classificação e não tivemos quebras. O Artur navegou muito bem e eu pilotei dentro da minha capacidade”, afirma Cadasso, que fez sua estreia nos UTVs, a maior categoria do grid com 55 inscritos.

“Após um longo percurso desbravando o Brasil e noites sem dormir, chegamos bem. Fizemos uma corrida com cautela, mas acelerando em trechos estratégicos e fomos ganhando posições aos poucos, essa era a estratégia. Pena que tivemos duas etapas canceladas, o que nos atrapalhou um pouco, mas foi muito positiva nossa participação nesse Sertões”, avalia o navegador Carvalho, que participou pela 2 segunda vez da competição e  tem uma trajetória de quase uma década no off-road.

A 28ª edição do maior rali das Américas passou por cinco estados – São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Tocantins e Maranhão – e o Distrito Federal. Neste ano, a caravana do Sertões percorreu de Bolha em Bolha. Os parques de apoio da prova foram fora do perímetro urbano para evitar aglomerações. O Sertões 2020 teve duas das sete etapas canceladas em função da forte chuva por questões de segurança. Participaram 63 Motos/Quadriciclos; 40 Carros, 55 UTVs; 20 Regularidade e 55 Light (a nova categoria de 2020); e 56 equipes. No total foram 403 inscritos e 233 veículos, vindos de 21 Estados e o DF, representantes de 206 cidades brasileiras.

Trajetória de pódios e solidariedade no Sertões – Fábio Cadasso estreou no grid do Sertões em 2012, na categoria Caminhões Leves, pela Ford Racing Trucks/Território Motorsport, quando ficou em 3º lugar na categoria.  Em 2013, pilotou um Troller da equipe Troller Racing/Território Motorsport e terminou em 3º na Production T2.  No mesmo ano, conquistou os títulos Brasileiro e Paulista de Rally Cross Country 2013, na categoria Caminhões Leves. Dois anos depois retornou ao grid e passou a competir com equipe própria, com uma Pajero TR4 e foram três anos com pódio: 5º lugar em 2015, 2016 vice-campeões e 2017 em 5º lugar, sempre na Production T2. Guerreiro, encarou a edição de 2018 de moto (CRF 250cc) e foi o único ano que não conseguiu completar, pois se acidentou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.