Educação

Escola x Coronavírus: o desafio de mudar do ensino presencial para o ensino à distância

Portões fechados e alunos distantes das salas de aulas. Esse cenário é a realidades de milhares de instituições de ensino no país e no mundo. Muitas escolas ainda estão se adaptando à...

O Debate do Maranhão - 02/10/2020 12h09

O Educa é uma Unidade de Apoio Pedagógico Interdisciplinar.

Portões fechados e alunos distantes das salas de aulas. Esse cenário é a realidades de milhares de instituições de ensino no país e no mundo. Muitas escolas ainda estão se adaptando à nova realidade das aulas remotas para controlar a disseminação do COVID-19. De uma hora para outra, o ensino à distância (EAD) precisa substituir as aulas presenciais, e o desafio dessa transição temporária é enorme.

Em entrevista com Aline Abas, administradora e gerente da Escola Educa, procuramos saber os desafios enfrentados pela escola, ao mudar do ensino presencial para o ensino a distância.

O Educa é uma Unidade de Apoio Pedagógico Interdisciplinar, que atua com: alfabetização, ensino fundamental I e II e ensino médio. Sua proposta busca o desenvolvimento das necessidades individuais de cada aluno, indo além de apenas reforçar conteúdo, e quando necessário, trabalhando em parceria com profissionais de diversas áreas, como psicopedagogos, psicólogos e fonoaudiólogos.

Com a pandemia, para manter o auxílio aos alunos, buscaram apoio nas ferramentas digitais como: whatsapp, aplicativos de reunião online, etc. E com isso se aproximaram ainda mais das famílias, pois se faz necessário uma parceria entre escola, reforço escolar e família, para garantir um resultado de excelência.

“Nosso trabalho de apoio pedagógico, era desenvolvido 80% com aulas em grupos, o que foi reduzido pela metade com o início da pandemia, pois muitos alunos não tinham autonomia para acessar as aulas virtuais e nem podiam contar com o auxílio dos pais ao seu lado para ajudá-los. Foi preciso então focarmos na divulgação de outro serviço que já oferecíamos, aulas individuais e esse tem sido o lado positivo da pandemia, mostrar que podemos sempre buscar soluções e inovações” diz Aline Abas.

Para Aline, a maior dificuldade, foi desenvolver a autonomia de crianças em fase inicial de aprendizagem, pois ainda não tem um nível de atenção necessário para um tempo prolongado de aula online. Alguns alunos acabam se distraindo devido ao tempo prolongado de uso das telas, por vezes ocorre dificuldades em conexão que acaba atrapalhando a absorção da explicação, sendo necessário voltar ao que já foi dito. Também existem as distrações pelo ambiente, pois geralmente é dividido com os familiares que também desenvolvem seus trabalhos remotamente.

Agora, com a flexibilização “foi possível reiniciar as aulas inicialmente nas residências dos alunos e posteriormente, quando da permissão em decreto, em nossa unidade física, respeitando todas as normas sanitárias e de segurança impostas. Porém, em respeito a nossos clientes, que ainda não foram autorizados a voltar com suas rotinas, continuamos ofertando aulas virtuais” explica Abas.

É necessário um grande esforço para manter o nível de ensino à distância no mesmo padrão do ensino presencial, para isso o Educa vem sempre se atualizando, buscando novas formas de ensinar e sempre colocando o aluno como protagonista do seu próprio sucesso, mostrando que todos os resultados obtidos são pelos seus esforços diários.

 

Anna Nicolle Diniz Schalcher

Estagiária

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *