Estudo FGV

Desigualdade no Brasil parou de crescer no 3º trimestre

A informação está em estudo de Daniel Duque, da Escola Brasileira de Economia e Finanças da FGV.


Depois de quase 4 anos de aumento na diferença salarial entre ricos e pobres, a desigualdade parou de crescer no 3º trimestre de 2019. A informação está em estudo de Daniel Duque, da Escola Brasileira de Economia e Finanças da FGV (Fundação Getulio Vargas), divulgado nesta 4ª feira (20.nov.2019) pelo jornal Valor Econômico.

Parte inferior do formulário

De acordo com o estudo, o índice de Gini do rendimento domiciliar per capita do trabalho no 3º trimestre foi de 0,628, igual ao resultado do mesmo período de 2018.

O índice de Gini é um indicador para medir o grau de concentração de renda em determinado grupo, e varia entre 0 e 1, sendo 0 a igualdade absoluta e 1 a desigualdade total.

O indicador exibia aumento da desigualdade desde o 4º trimestre de 2015, quando apresentou 0,609 como resultado. Daniel Duque afirmou ao jornal que o ritmo de melhora do mercado de trabalho tende a absorver a parcela mais pobre da população, o que pode contribuir para diminuir a desigualdade.

*PODER360, Informações do Valor Econômico com edição do jornalodebate.com.br

VER COMENTÁRIOS

Artigos relacionados