REJEIÇÃO

Com 44% do tempo de TV, Alckmin é o pior tucano antes do horário eleitoral

A eleição de 2018 tem idiossincrasias nunca vistas em disputas presidenciais na atual fase democrática do Brasil. O tucano...

A eleição de 2018 tem idiossincrasias nunca vistas em disputas presidenciais na atual fase democrática do Brasil. O tucano Geraldo Alckmin protagoniza uma curiosidade: nunca o nome do PSDB na corrida pelo Planalto esteve tão mal às vésperas do início do horário eleitoral, que começa em 31 de agosto.

Alckmin tem apenas 6% no Datafolha realizado em 20 e 21 de agosto de 2018. Em disputas passadas, a menor taxa de intenção de voto de 1 tucano no início da propaganda em rádio e TV foi a de José Serra, em 2002, com 13%.

Em 2006, quando também foi candidato a presidente, o próprio Alckmin começou a propaganda eleitoral já com 24% nas pesquisas de intenção de voto.

Eis os dados históricos de pesquisas realizadas nos dias anteriores ao horário eleitoral desde 1994 (inclusive com anotações sobre quantos dias durava esse tipo de propaganda em cada disputa):

O PSDB fez uma ampla aliança nacional agora em 2018. Essa coalizão garantirá a Alckmin 44% do tempo de rádio e de TV na propaganda eleitoral a partir de 31 de agosto. É possível que tucano possa ganhar algum terreno com toda a exposição. Mas será algo inédito até agora em disputas presidenciais.

Nunca alguém que chegou tão atrás nas pesquisas nesta fase da campanha conseguiu virar o jogo no mês de setembro.

Há também uma dúvida no PSDB sobre quem deve ser atacado para que Alckmin ganhe pontos nas pesquisas de intenção de voto. O alvo mais óbvio (porque disputa o eleitorado situado do centro para a direita) é Jair Bolsonaro, do PSL.

Há uma convicção entre os integrantes da cúpula tucana sobre a possibilidade de desidratar Bolsonaro, que pontua 19% em cenários nos quais aparece Luiz Inácio Lula da Silva (PT) com 39%, segundo estudo do Datafolha em 20 e 21 de agosto de 2018.

O problema, pensam os tucanos, é como desidratar Bolsonaro e garantir que os votos do capitão do Exército na reserva possam ser absorvidos por Alckmin. Há 1 temor de que a perda de apoio por parte do candidato do PSL não resulte, necessariamente, em ganhos para o nome do PSDB.

OUTROS CANDIDATOS

Como indica a tabela acima neste post, os outros candidatos também enfrentam uma situação diferente em relação a todas as outras eleições anteriores, desde 1994.

Poder360 faz a comparação de 1994 para cá pois foi nesse ano que as disputas para presidente, governador, senador e deputados passaram a ser simétricas, realizadas ao mesmo tempo.

A eleição de 1989 foi solteira, apenas para presidente. É impróprio comparar o que se passou naquela disputa com as demais que foram realizadas a partir de 1994, a cada 4 anos e com a sinergia entre candidatos a vários cargos.

O fato é que desde 1994 quase sempre os candidatos competitivos e que foram ao 2º turno já estavam com mais de 10% quando começou o horário eleitoral.

Desta vez, o maior favorito seria Luiz Inácio Lula da Silva, mas seu registro como candidato está sendo contestado e pode ser vetado pela Justiça Eleitoral. O substituto de Lula deve ser Fernando Haddad, que no Datafolha pontuou apenas 4%.

É possível que ocorra uma transferência dos 39% dos votos de Lula para Haddad. Mas será 1 dos maiores fenômenos eleitorais vistos em eleições presidenciais brasileiras.

No caso do candidato Jair Bolsonaro (PSL), ele tem de 19% a 22% no Datafolha, mas é o que registra a maior taxa de rejeição no levantamento dessa mesma empresa de pesquisas.

Bolsonaro é repelido por 39% dos eleitores. Nunca 1 candidato com rejeição tão alta às vésperas do horário eleitoral conseguiu passar para o 2º turno em eleições presidenciais brasileiras.

Há 1 fator ainda mais alarmante para Bolsonaro: ele tem apenas 1,7% do tempo de TV e rádio no horário eleitoral. É quase nada para expor algum argumento e tentar reduzir sua taxa de rejeição. O militar pode se fiar nas redes sociais e ter sucesso. Mas será também algo inédito em eleições para presidente.

Marina Silva (Rede) e Ciro Gomes (PDT) começam o horário eleitoral com pontuações abaixo da média histórica antes da propaganda eleitoral no rádio e na TV para candidatos que conseguiram passar ao 2º turno. Podem se beneficiar de uma eventual desidratação de Bolsonaro ou da incapacidade do PT para inocular o voto lulista em Haddad. Mas trata-se de aposta incerta, até porque não há parâmetros de eleições anteriores que permitam fazer alguma comparação ou previsão sobre qual será o desfecho.

A REJEIÇÃO DE MICHEL TEMER

Há outro fator a ser considerado na largada da propaganda de rádio e de TV: o grau de aprovação ou rejeição ao presidente da República.

De novo a disputa de 2018 reserva aos brasileiros uma situação inusitada e nunca vista. Michel Temer é reprovado por 73% dos brasileiros. Sua aceitação é de apenas 4%. Nunca nesta época (véspera do horário eleitoral) o Palácio do Planalto esteve tão desacreditado.

Até hoje, o presidente mais mal avaliado no início do horário eleitoral foi Fernando Henrique Cardoso (PSDB), em 2002 (rejeição de 32%). O que aconteceu naquela eleição? Venceu o candidato anti-Planalto, Luiz Inácio Lula da Silva.

Eis como era a aprovação e rejeição de cada presidente às vésperas do horário eleitoral em outras eleições desde 1994:

VER COMENTÁRIOS

Artigos relacionados