ASSUMIR OS ERROS

‘Acho correto que a gente reconheça erros’, diz Haddad sobre crítica de Cid

O candidato a presidente Fernando Haddad (PT) disse, nesta 4ª feira (17.out.2018), que “acha correto” que o PT reconheça erros. Ele...

O candidato a presidente Fernando Haddad (PT) disse, nesta 4ª feira (17.out.2018), que “acha correto” que o PT reconheça erros. Ele comentou uma cobrança de autocrítica por parte do PT feita pelo senador eleito Cid Gomes (PDT-CE).

“Cid gravou 1 vídeo para nós a favor de nossa candidatura. No calor da discussão você faz esses  comentários e acho correto que a gente reconheça erros”, disse em entrevista ao jornalista Carlos Nascimento, do SBT.

O irmão de Ciro Gomes (PDT) discutiu com militantes petistas em Fortaleza. Na 2ª feira (15.out.2018), durante lançamento da campanha presidencial petista no Ceará, Cid cobrou autocrítica do PT, o que gerou protesto dos presentes.

Em resposta, o pedetista, disse: “Isso é para perder a eleição e é bem feito. […] Vão perder feio porque fizeram muita besteira”. Ele também reagiu a militantes que gritaram o nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e falou de forma enérgica: “Lula tá preso, babaca”.

Nesta 4ª feira (17.out),  o ex-governador do Ceará gravou 1 vídeo declarando apoio à candidatura petista.

Sobre erros cometidos pelo PT, Haddad disse que não houve uma fiscalização correta das estatais durante os governos federais administrados pelo partido e sugeriu repetir a Controladoria vigente durante sua gestão no Ministério da Educação.

Ele também criticou a política de incentivo fiscal adotada no final do governo Dilma Rousseff. “Nos ultimos 2 anos do governo Dilma comentemos 1 erro grave. Nós desoneramos empresas achando que elas iam criar emprego.”

Perguntado sobre a mudança na estratégia de campanha depois de chegar ao 2º turno, como a menor presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a mudança do vermelho, cor tradicionalmente associada ao PT, para o verde amarelo na identidade visual da campanha.

“Nas 4 vezes que fomos para o 2º turno, a gente mudou 1 pouco. O 2º turno é ampliação. A violência que ele [Bolsonaro] verbaliza me causou medo, quero reunir as pessoas que têm esperança.”

O petista disse ser favorável as condenações da operação Lava Jato “desde que as pessoas sejam condenadas em ultima instância” e elogiou o juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba, Sergio Moro, responsável pelos casos da Lava Jato no Paraná.

“Em geral o Sergio Moro fez 1 trabalho, embora tenha soltado muito precocentemte os empresários. No geral o saldo é positivo, mas há reparos a se fazer”, afirmou.

Durante a entrevista, o ex-ministro da Educação disse que seu concorrente na disputa pelo Planalto, Jair Bolsonaro (PSL), dissemina notícias falsas ao seu respeito.

“O meu adversário tem feito uma prática muito vil. Ele foi condenado pelo TSE a parar de falar que eu distribuí material impróprio para criança de 6 anos, ele foi condeando pela Justiça. Ele está mudando o miolo dos meus livros e colocando o conteudo de terceiros como se fosse meu”, declarou.

Ele comentou novamente sobre o posicionamento do ex-presidente Fernando Henrique Cardos (PSDB) e disse que ele está em “uma saia justa”. Nesta 4ª, após participar de eventos evangélicos em São Paulo, afirmou que a “história cobra nosso posicionamento, nem sempre à vista, mas a prazo”.

“O Fernando Henrique Cardoso está em uma saia justa porque alguns candidatos dele nos estados não estão comigo. Ele é uma pessoa que mantenho uma relação muito cordial e respeitosa, quero reunir todas as pessoas que lutaram contra a ditadura e a tortura.”

Ele também disse que o ex-ministro da Justiça do governo Fernando Henrique José Carlos Dias assinou 1 manifesto a favor de sua candidatura.

Ao falar sobre qual seria a composição ministerial de 1 eventual governo caso seja eleito presidente, Haddad disse que fez apenas sondagens.

“Tenho feito sondagens de pessoas que eu respeito, visitei Joaquim Barbosa em sua casa em Brasília, fui ouvi-lo para melhorar o plano de governo. Também conversei com Mario Sergio Cortella.”

Na entrevista, ele falou sobre sua proposta de atribuir ao Governo Federal o combate às organizações criminosas, atualmente de jurisdição dos governos estaduais.

“Defendemos que parte dos crimes que envolem organização criminosas seja de atribuição da Polícia Federal. Não estamos jogando duro contra o crime, se a PF entrar combatendo o crime organizado, a Polícia Militar e Civil de cada estado vão poder atuar”, disse.

Perguntado sobre qual medida ele considera a melhor durante o período que foi ministro da Educação, ele citou os programas assistências estudantis Prouni e Fies. “O mais vistoso foi os programas que eu criei para permitir que os jovens de baixa renda entrem na universidade, como Prouni e Fies sem fiador.”

VER COMENTÁRIOS

Artigos relacionados