PAIXÃO INTERNACIONAL

Rivalidade entre Brasil e Argentina na Copa do Mundo domina Bangladesh

A Copa do Mundo está despertando grandes paixões em Bangladesh, onde torcedores de Brasil e Argentina estão brigando nas...

A Copa do Mundo está despertando grandes paixões em Bangladesh, onde torcedores de Brasil e Argentina estão brigando nas ruas e bandeiras dos dois países são tão onipresentes que algumas pessoas querem baní-las.

Ignorando a falta de qualquer laço óbvio com os gigantes sul-americanos e sua falta de uma seleção nacional – que está ranqueada em 194º lugar entre as 211 registradas – a febre da Copa do Mundo tomou conta dos torcedores em Bangladesh.

Na semana passada, na cidade de Bandar, fãs de Lionel Messi e Neymar brigaram com machetes, deixando um homem e seu filho gravemente feridos, segundo a polícia.

Além disso, um menino de 12 anos morreu após ser eletrocutado enquanto colocava uma bandeira do Brasil em um poste.

Bandeiras da Argentina e do Brasil já dominavam as cidades do país de 160 milhões de habitantes há semanas antes do início da Copa do Mundo da Rússia, na quinta-feira (14).

Torcedores das duas seleções desfilam com bandeiras para mostrar seu apoio. Na cidade de Madargani, corridas de moto são organizadas com centenas de torcedores rivais agitando bandeiras e flâmulas de futebol.

“Eles fazem reuniões para planejar loucuras maiores. Você pode sentir a tensão e a empolgação por toda a cidade”, disse à France Presse o chefe de polícia local, Mohammad Rafique.

Fachada de prédio decorada com cores da bandeira do Brasil em Naraygong, Bangladesh, em foto de 5 de junho (Foto: AFP)

Fachada de prédio decorada com cores da bandeira do Brasil em Naraygong, Bangladesh, em foto de 5 de junho (Foto: AFP)

Alguns cidadãos de Bangladesh, no entanto, querem acabar com o fanatismo.

Um advogado tentou obter uma ordem judicial proibindo o hasteamento de bandeiras de países da Copa do Mundo. A Universidade Barisal baniu seus 7 mil alunos de exibir as cores de países estrangeiros em seu campus.

“O governo deveria proibir totalmente a exibição de qualquer bandeira de países estrangeiros por Bangladesh”, disse o reitor da Universidade, Imamul Haq à AFP.

O exagero de bandeiras é o sinal mais óbvio da troca da preferência do país a cada quatro anos do críquete para o futebol.

Embora Bangladesh nunca tenha se classificado para uma Copa do Mundo, e tenha pouca chance de conseguir isso no futuro, o país enlouquece com a competição a cada quatro anos.

De Maradona a Messi

A rivalidade sul-americana teve início com as transmissões da Copa do Mundo de 1986, quando o brilhantismo de Diego Maradona ajudou a Argentina a conquistar o título.

“Pelé era um ídolo aqui. A história dele estava em nossos livros. Então já havia uma torcida pelo Brasil. Mas a Argentina roubou corações em Bangladesh depois dos feitos de Maradona em 1986. Acho que foi quando essa rivalidade aqui começou”, explicou à France Presse M. M. Kaiser, editor de um portal de esportes.

Maqsud Elahi, de 13 anos, disse depois de comprar uma bandeira argentina: “Eu torço pela Argentina por causa do Messi. Os dribles dele são de enlouquecer”.

Tanvir Haider, um médico de 29 anos, porém, se apaixonou após ver Ronaldo jogando durante sua infância. “Eu amo o Brasil por causa dele. E também o Brasil tem um passado de ouro. O jogo deles é incrível e eles têm super estrelas em todas as Copas do Mundo”, disse.

Mas sociólogos têm dificuldade em explicar o fenômeno do futebol em Bangladesh, com um deles criticando o que chama de “uma espécie de complexo de inferioridade”.

“Muitas dessas pessoas não sabem onde fica o Brasil e a Argentina. Não há laço de sangue ou língua, e ainda assim são loucos por eles”, disse à AFP Nehal Karim, professor de sociologia da Universidade de Dhaka.

“Não entendo isso”, admitiu.

Mokaddem Hossain, vice-presidente da Universidade Aberta de Bangladesh, disse que isso é um resultado da globalização.

“Isso é parte de uma marca mundial. O hasteamento de bandeiras e a empolgação são apenas o resultado dessa paixão”, afirmou.

Ashif Entaz Rabi, um escritor, defendeu a euforia que acontece a cada quatro anos, dizendo que a Copa do Mundo é uma ocasião de alegria para milhões.

“Se um torcedor da Argentina encontra felicidade ao pendurar uma bandeira da Argentina em seu telhado, quem é você para impedir essa alegria dele?”, escreveu Rabi em um post amplamente compartilhado no Facebook.

VER COMENTÁRIOS

Artigos relacionados