Leitura de cordel

Professores da rede municipal participam de oficina de criação e produção de literatura de cordel

Com o objetivo de reconhecer e valorizar o cordel como gênero literário e expressão artística da cultura popular, a...

Com o objetivo de reconhecer e valorizar o cordel como gênero literário e expressão artística da cultura popular, a Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal de Educação (Semed), está oferecendo para professores da rede a oficina “Nas Veredas do Cordel no Maranhão: revelando cordelistas maranhenses”, de criação e produção de literatura de cordel.

A oficina, que acontece no auditório da Semed, iniciou nessa segunda (9) e prossegue nesta terça (10) e nos dias 16 a 19. A capacitação é destinada a professores da Educação Infantil; professores alfabetizadores; professores do Ensino Fundamental e professores da Educação de Jovens e Adultos (EJA). A intenção é que estes profissionais sejam multiplicadores do projeto em suas escolas.

O secretário de Educação, Moacir Feitosa, ressalta que a oficina visa estimular os educadores a aproximar os estudantes da literatura, incentivando a leitura, a criatividade e a produção de textos. “O cordel é uma das principais formas de expressão da cultura popular nordestina. E é sempre válido utilizar novas técnicas de produção da literatura, como o gênero literário cordel, para desenvolver atividades em sala de aula. A oportunidade vai proporcionar a todos descoberta de suas habilidades e também a capacidade dos estudantes na produção”, comentou o titular da Semed.

A oficina foi dividida em conteúdos que vão desde a origem do cordel; passando pelas modalidades, técnicas até o rap como cordel urbano contemporâneo. Além de buscar a formação de leitores, a oficina intenciona a valorização da literatura popular e a divulgação da cultura maranhense. Também quer aproximar o público da arte do cordel, atuando no despertar para a estética do poema em seu estado mais puro. Além de estimular o surgimento de novos poetas, repassar saberes e divulgar cada vez mais o gênero.



POESIA

O cordelista e ministrante da oficina, Moizes Nobre, disse que a capacitação visa trazer a poesia popular para o professor, que terá como função maior repassar o que foi compartilhado nas oficinas para os estudantes. “Os cursistas vão transformar essa experiência adquirida aqui e transformar na linguagem que eles utilizam em sala de aula, usando como ferramenta paradidática nas escolas. Na Educação Infantil, por exemplo, usar a linguagem das cores, das imagens”, explicou o cordelista.

A professora da Unidade de Educação Básica (U.E.B) Rubens Ferreira Rosa, Lourena de Jesus Silva Rodrigues, acredita que a prática será um grande estímulo para a leitura e a escrita dos estudantes motivando na produção. “Está sendo importante participar da oficina e colocar o cordel como uma ferramenta pedagógica para o desenvolvimento dos nossos estudantes. A literatura envolve, motiva e também está contribuindo para valorizar a cultura da nossa própria região”, disse.

A professora Surama Cristina Caldas, das séries iniciais na U.E.B. Maria Alice Coutinho, conta que o seu interesse por participar da oficina surgiu pela perspectiva de incentivar ainda mais os seus alunos a ler e escrever. “Quero aplicar em sala de aula todo o conteúdo que estou aprendendo na oficina. Os nossos estudantes gostam de novidades e de desafios, gostam muito de brincar com as palavras. Vejo o interesse deles pelas rimas, e a literatura de cordel é didática e envolvente; com certeza vai incentivar os alunos a pensar e refletir, ao mesmo tempo em que brincam com as palavras”, destaca Surama.

VER COMENTÁRIOS

Artigos relacionados