Ministério Público consegue condenação de homem que espancou e matou a tia

O Ministério Público do Maranhão conseguiu a condenação de Douglas Barbosa Assis, no último dia 4 de agosto, a...

Foto: Reprodução

O Ministério Público do Maranhão conseguiu a condenação de Douglas Barbosa Assis, no último dia 4 de agosto, a 26 anos de reclusão e 13 dias de multa pelo crime de latrocínio. O réu espancou a tia, Maria Divina Marinho, de 62 anos, no final do mês de abril, que ficou internada por um mês no Hospital Municipal de Imperatriz até vir a óbito.

A denúncia foi feita em junho pela promotora de justiça Alline Matos Pires, titular da Promotoria de Justiça em Defesa da Mulher.
Responsável pela instrução do processo, o promotor de justiça Joaquim Júnior, titular da Promotoria de Justiça em Defesa do Idoso e da Pessoa com Deficiência, considerou importante a condenação, porque casos como este servem de alerta para a população. Para ele, o número de idosos que morrem por conta de violência doméstica, seja ela física ou psicológica, é maior do que o relatado nas estatísticas. “Muitas vezes um idoso sofre violência, e os agressores dizem que foi uma queda ou algo parecido e o crime acaba passando em branco, sem condenação dos responsáveis”, ressalta o promotor.
A promotora Alline Matos ressaltou a celeridade com que foi analisado e julgado um crime tão grave de violência doméstica e familiar. Foram dois meses. “Foi um crime que chocou toda a população pela enorme carga de violência. É muito importante para nós um julgamento tão rápido, ainda mais na época em que comemoramos o aniversário da criação da Lei Maria da Penha”, diz a promotora.
O CASO
De acordo com o inquérito policial, no dia 29 de abril, Douglas Barbosa furtou a quantia de R$ 1 mil e dois telefones celulares da casa da vítima. O denunciado morava em um quarto nos fundos da casa da tia e a surpreendeu bem cedo com violência, apertando seu pescoço, derrubando-a no chão, desferindo chutes e socos contra o seu rosto, cabeça e demais partes do corpo.
Após as agressões, a vítima desmaiou por algum tempo, momento em que Douglas a arrastou por cerca de dez metros. Foi quando o denunciado fugiu, após furtar o dinheiro e os celulares. Encaminhada para atendimento médico, Maria Divina faleceu no dia 29 de maio em decorrência de insuficiência respiratória por conta de um trauma torácico ocasionado pela violência sofrida.
VER COMENTÁRIOS

Artigos relacionados