CRÔNICA

Coluna Folhas Soltas – por Geraldo Campos

Crônica Nº 03 - Publicada em 29/04/2018 - na edição impressa do Jornal O Debate

E CHEGA O DIA de arrumar a bagunça. Pode ser uma gaveta ou toda a casa. É nesta hora que nos defrontamos com uma situação complexa: o que guardar e o que jogar fora. Ao longo do tempo, vamos acumulando um monte de quinquilharias sob o pretexto de que um dia podem ser úteis. Mas, não poucas vezes, sabemos que este dia não chegará e que aquilo tudo entulhando gavetas ou armários não passa de quinquilharia sem serventia. Contas pagas há anos, papéis nos quais rabiscamos alguma coisa que nem sabemos mais o que significa, livros que não mais vamos ler, até porque já passamos da quarta ou quinta releitura, fora a tralha miúda: baterias descarregadas, tocos de lápis, moedas de um centavo, etc. Então, nos perguntamos como e por que juntamos tanta coisa. Mesmo não sendo acumuladores compulsivos, por que não jogamos fora tudo que perdeu a utilidade. Eis uma pergunta que muitos não saberiam responder. Há, talvez, um apelo oculto nas coisas, ao menos naquelas às quais, sem razão lógica, nos prendemos. Quem sabe? Mas estas reflexões levam a outra bem mais inquietante: por que é mais fácil desapegar-se das pessoas do que das coisas? Sabe aquela camisa velha, desbotada, com o colarinho puído, sem botões, pendurada no guarda-roupa? Pois é, não a jogamos fora. Prometemos a nós mesmos que vamos levá-la a um alfaiate ou a uma costureira para que ela seja consertada e possamos vesti-la na primeira oportunidade. E não nos damos conta de que ela é apenas mais uma entre dez ou vinte camisas e que ela vai ficando, esperando o dia em que… Todavia, se alguém nos desagrada por alguma razão, ou por razão nenhuma, não demoramos a apagar o incômodo de nossa lista de personas gratas, e sem pensar duas vezes. Por que não nos esforçamos para entender um pouco mais as pessoas que nos cercam? Vivemos seguindo o princípio do “aos meus amigos tudo, aos inimigos o rigor da lei”. Inimigos? Eis uma palavra que traz em si graves implicações. Talvez até os tenhamos. Mas as pessoas que consideramos incômodas, em geral, são as mortalmente chatas ou as desabridamente sinceras, extremos que, muitas vezes, nos tiram do sério e, sem lhes dar o direito de defesa, simplesmente as ignoramos. Enquanto isso, nosso baú de guardados continua cheio de inutilidades que nos são caras, coisas mais importantes que muitas pessoas que nos cercam.

 

Geraldo Campos é professor, com passagem pela UnB e pela Universidade Católica de Brasília, jornalista e, nas horas vagas, contista (com alguns prêmios). Começou no jornalismo como revisor do Jornal do Brasil e, posteriormente, da revista Manchete. Passou por outros veículos de comunicação entre os quais as Tvs Aratins e Araguaína, no Tocantins, nas quais foi diretor de jornalismo. Tem, no currículo, trabalhos para a editora da UnB, o Banco Interamericano de Desenvolvimento e a Secretaria de Reforma do Judiciário, entre outros.

 

VER COMENTÁRIOS

Artigos relacionados