Saúde

Assoalho Pélvico e atividade física

Leia a matéria e saiba mais sobre fisioterapia pélvica

O Debate do Maranhão - 15/07/2018 14h13

Você já alguma vez sentiu durante a prática de alguma atividade física a perda de urina mesmo que em gotinhas ou jatinhos ou mesmo perder gases?

Essa queixa é mais comum do que se imagina, principalmente entre as mulheres, porém o que muitas das vezes não se sabe é que a perda urinária durante qualquer atividade e por menor que seja não é normal e se trata de uma disfunção que tem tratamento através da Fisioterapia Pélvica.

Para compreender o que ocasiona a incontinência urinária é importante identificar os tipos de incontinência e conhecer as causas dessa disfunção. Uma delas é a incontinência urinária de esforço, que é caracterizada pela perda de urina aos esforços como tossir, espirrar, sorrir, carregar peso, esforço na evacuação e situações de sobrecarga da musculatura abdominal durante a prática de atividade física.

A musculatura do assoalho pélvico fica localizada na pelve, também mais conhecida como “bacia”, sendo esses músculos responsáveis por sustentar órgãos importantes tais como: útero, ovários, bexiga e reto, desempenhando papel fundamental nas funções urinárias, fecais e sexuais. Essa musculatura, assim como outras musculaturas do nosso corpo, necessita de cuidado especial por sofrer sobrecarga durante algumas fases na vida da mulher, por exemplo, durante a gestação, no período expulsivo do parto normal, puerpério e menopausa, bem como as alterações hormonais devido ao avanço da idade.

Atividades como spinning, jumping, step e algumas outras modalidades de esporte podem levar a um aumento da pressão intrabdominal sobrecarregando estruturas pélvicas como bexiga, reto e útero, caso a musculatura do assoalho pélvico não estiver em boas condições o que pode ocasionar perdas de urina ou ainda gases sem controle.

Que fique esclarecido que não é o crossfit ou outra modalidade de exercício de impacto que vai gerar disfunções, mas pode ocorrer se a musculatura pélvica não estiver saudável, ou seja, resistente o suficiente para suportar sobrecarga.

A fisioterapia pélvica pode auxiliar no correto funcionamento dessa estrutura, propiciando uma melhor consciência perineal, facilitando o controle da mesma durante a atividade física, evitando a sobrecarga. Que fique esclarecido quanto é importante não só saber contrair, mas também saber relaxar, pois também não é saudável quando a musculatura não relaxa.

Na foto, a competentíssima fisioterapeuta (especialista em fisioterapia pélvica) Dra. Iane Castro Rodrigues.

Esta pauta maravilhosa, sobre um assunto muito importante e pouco explorado, quem nos concedeu vou à fisioterapeuta, Dra. Iane Castro Rodrigues, especialista em fisioterapia pélvica (ABFP), em Saúde da Mulher, (Abrafim) e proprietária da Clínica Fisiopelve, seu consultório fica localizado, na avenida Jerônimo de Albuquerque, Pátio Jardins, sala 311, bairro Cohafuma. O telefone de contato é (98) 4141.2621 ou 9971.5025. Acompanhe as novidades e informações da Fisiopelve, pelo instagram: clinica_fisiopelve e pelo site www.clinicafisiopelve.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *