MAIS IDH

Agricultora aumenta produção, gera renda e manda filha à faculdade após chegada do Plano Mais IDH

Marinilde Silva tinha dificuldades de fazer dinheiro com a pequena criação de aves que tinha em Cajari. Chegaram, então,...

Marinilde Silva conseguiu mandar a filha à faculdade

Marinilde Silva tinha dificuldades de fazer dinheiro com a pequena criação de aves que tinha em Cajari. Chegaram, então, alguns técnicos à cidade, que passaram a mostrar como ela podia aumentar e melhorar a produção. Ela não só aumentou a produção como também realizou o sonho de mandar a filha para a universidade.

Essa é uma das muitas histórias de pequenas produtoras que tiveram a vida transformada com o Plano Mais IDH, lançado pelo governador Flávio Dino em 2015 para melhorar a qualidade de vida nas 30 cidades mais pobres do Estado.

O Plano Mais IDH envolve várias ações. Parte delas é feita pelos 90 técnicos da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e de Extensão Rural do Maranhão (Agerp) que percorrem as cidades ensinando técnicas para os moradores. Isso é feito por meio de tecnologia, treinamentos e outras ferramentas.

Antes do Mais IDH, havia apenas o esquecimento, conta Maria do Socorro. Foto: Divulgação

“Não sabíamos como era realmente, o tanto de comida [necessária para as aves], o ponto de corte”, conta Marinilde Silva ao se lembrar da época antes da chegada dos técnicos.

Depois, a coisa começou a mudar. “Foram novos conhecimentos que não tínhamos. Agora já estou no terceiro lote. Vendi a primeira safra e, além disso, pude dar alimento para a minha filha, a minha família e outras pessoas.” Ela também ajudou outros moradores da cidade: “Foi feita, inclusive, doação”.

“Com o dinheiro [gerado a partir] do programa, eu pude pagar a inscrição para a minha filha chegar até a faculdade – tanto para concluir o ensino médio em Penalva quanto para chegar à UFMA de Bacabal”, afirma.

O técnico da Agerp José Maria explica que, além de trabalhar com agricultura de corte, Marinilde complementa a renda com a horticultura. “Ela é uma quebradeira de coco dessa comunidade. Inclusive tem sucesso porque hoje tem os filhos que estão sendo formados, através do projeto”.

Novas perspectivas

‘Melhorou muito’, diz Zileide da Conceição. Foto: Divulgação

A Agerp tem 9 mil famílias cadastradas para receber apoio e novos conhecimentos. A maioria das famílias é chefiada por mulheres.

Uma delas é a agricultora Zileide da Conceição. Ela começou a produzir artesanato de forma mais eficiente após a chegada dos técnicos: “Melhorou muito, tem mais saída agora”. Ela mora em Cajari e faz miçangas, colares, pulseiras, anéis e outros itens.

“Ela tem conseguido melhorar a condição de vida. Ela não tinha perspectiva. A partir do momento em que teve essa inclusão produtiva, melhorou a qualidade de vida”, diz Janaira Sá, gestora regional da Agerp.

A também agricultora familiar Maria do Socorro diz que, antes do Plano Mais IDH, “a gente era esquecido, a gente nunca foi visto como ser humano, nunca teve esse apoio”.

“Mas com esse governo, a gente recebeu esses projetos e teve um grande êxito na produção. Vem nos incentivando e acompanhando mensalmente”, acrescenta.

VER COMENTÁRIOS

Artigos relacionados